Leitores Online

25 de set de 2009

Discotecas


A música exerce sobre as pessoas um fenômeno fascinante e essas vibrações sonoras, penetram em nossos sentidos e nos faz vibrar de modo psicossomático.
A música nos transporta em sonhos através do passado, presente e futuro; é um ópio embriagador que nos deixa alucinados em quimeras fantasias. A sua sonoridade pode nos trazer felicidade e também serve de terapia para os doentes d’alma.
A música pode se tornar um relaxe para meditação, para uma sesta e uma boa digestão, como também, para proporcionar lazer, despertar de um bom sono musical e desabrochar o espírito romântico trazendo para o meio ambiente um estado nostálgico, proporcionando assim, um diálogo social.
A música, serve como válvula de escape contra as tensões nervosas e é também, uma válvula de segurança contra o excesso de energia física concentrada em nossas células nervo musculares.
A música é o maior remédio para todos os males, desde que, tomado de maneira moderado; agora, vamos analisar a música pelo lado negativo porque tudo neste mundo tem duas polaridades.
Vamos ver, o que é esses ritmos alucinantes?
É uma dança individualista, muda, anti-romântica e anti-social que leva os dançarinos a um distúrbio nervoso.
As músicas tocadas nesses ambientes foram elaboradas em laboratórios de pesquisas musicais com o propósito de servir a grupos políticos de caráter subversivos e anarquistas para desintegrar as famílias e a sociedade como nação. Essa pseudo-música veio para programar os cérebros dos jovens e para servir a uma nova sociedade desequilibrada, em caos e viciada, como também, ensinaram a juventude a se tornarem arredios ao convívio social, insolentes e desobedientes aos seus pais.
A discoteca é um antro pernicioso porque só leva a destruição do corpo e da mente. As músicas tocadas neste ambiente ultrapassam aos limites suportáveis pela audição humana e levam os freqüentadores a surdez e a loucura, a médio ou longo prazo, sem se falar no jogo de luzes que prejudicam a vista e o cérebro. A discoteca é um ambiente anti-social em que, há somente aglomerações de adolescentes que se comportam de maneira individualista no salão e na periferia, e não existem meios de comunicações porque a freqüência sonora não permite o diálogo entre si.
As músicas das discotecas têm ritmos frenéticos e desconcertantes que embalam os jovens em movimentos sem nenhuma harmonia e portanto, perigosos para a saúde dos dançarinos.
Este é o lado negativo, a outra face, das músicas positivas e harmoniosas.


Por: Ernani Serra

Pensamento: Os pais são responsáveis pela formação sócio-cultural e ético-salutar dos seus filhos.

Ernani Serra