Leitores Online

1 de abr de 2010

Capitulação de um Império




Houve outrora um rei que não sabia o que fazer para governar um império tão grande em extensão quanto em riqueza do subsolo. Um dia, ele reuniu toda a corte para ouvir as sugestões, infelizmente, tanto o rei quanto a sua corte eram formadas de pessoas medíocres e os que tinham um pouquinho de visão estavam a serviço do inimigo que os corrompiam com moedas de ouro.

Naquela reunião prevaleceu a sugestão de trazer imigrantes de outros impérios mais adiantados, eles vieram aos milhares com sua mão de obra especializada, tomaram para si os territórios mais férteis, dominaram a agro-pecuária, construíram indústrias, formaram o seu próprio comércio e também as suas próprias colônias de caráter privado.

Em outra reunião, o rei decidiu com os seus conselheiros em trazer as filiais das matrizes dos parques industriais de outros impérios para o progresso do seu reino. Para que as matrizes enviassem as suas filiais foi preciso fazer tantas concessões no campo dos impostos, das exportações, da infra-estrutura etc. que tudo se tornou gratuito para a expansão delas.

Começou daí em diante o processo de invasão silenciosa e de plena conivência com a ignorância do rei e sua corte corrupta.

Daí em diante, os alienígenas, tomaram parte em postos militares, econômicos e políticos.

Com essa estratégia de infiltração nos postos de comando e subornos, eles foram organizando um exército de sabotadores no poder econômico, estatal e político.

Com tantos traidores em sua volta, o rei, perdeu a força e o poder de governar de maneira independente e se tornou um símbolo decorativo do poder monárquico.

Apesar do império ter muitas riquezas o povo continuava num misere danado; porque as riquezas eram contrabandeadas para sonegar os impostos, as exportações eram de preferência insuficientes para não dar um superávit na Balança de Pagamentos, a agro-pecuária não se expandia e nem se modernizava para não baixar o custo de vida e nem gerar bem-estar social, a moeda imperial perdia valor para beneficiar os importadores que compravam muito pagando muito pouco e os turistas gozavam mais deixando pouco dinheiro para o reino. Os alienígenas eram implacáveis e não deixavam nada para os cofres do governo de sua majestade. Procuravam a todo custo, diminuir o quadro de fiscais para não fiscalizar a corrupção administrativa e os poucos fiscais que restavam eram corrompidos com propinas e por coações de perder o emprego.

O império foi decaindo e o rei foi perdendo o poder para os alienígenas, num golpe de misericórdia, os conselheiros da corte convenceu o monarca de que a melhor maneira dele sair daquela situação era tomar empréstimos aos outros impérios bem sucedidos.

Os empréstimos foram concedidos de imediato como num passe de mágica mas, os juros eram diabólicos, tão altos quanto o alcance do infinito e o rei corria de um lado para o outro, alucinado com aquela situação, só tinha um jeito, tomar novos empréstimos para pagar os juros vencidos e veio empréstimos sobre empréstimos e juros sobre juros, nesta alucinação, o rei foi deposto e todo império caiu em mãos dos imperialistas alienígenas de maneira tão sutil que ninguém percebeu a invasão econômica financeira no lugar da invasão bélica. Felizmente, todos do império permaneceram acomodados como se estivessem em transe hipnótico e não tomaram consciência da escravidão que foram submetidos de maneira passiva. Tudo foi transformado na lei natural, os grandes devoram os pequenos e os pequenos se integram no corpo dos grandes.

Por: Ernani Serra

Pensamento: Para declarar um amor não precisa de palavras, basta um olhar.
Ernani Serra