Leitores Online

11 de jun de 2011

Motos x Mortes


Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 20% das mortes no trânsito no país vitimam condutores ou passageiros de motocicletas, o dobro do registrado entre condutores ou passageiros de veículos com quatro rodas. O percentual de motociclistas entre as vítimas no Brasil é oito pontos maior do que a proporção média mundial, de 12%.

Aprovado em 1998, o código continha um artigo que proibia a circulação de motocicletas entre as faixas de rolamento dos demais veículos, mas o item foi vetado pelo então Presidente Da República Fernando Henrique Cardoso. Agora, estuda-se a reincorporarão do artigo.


Segundo o Ministério da Saúde, os gastos com acidentes de moto dobraram entre 2007 e 2010, ano em que houve 150 mil internações relacionados à ocorrência. Os dados fizeram com que o Ministro da Saúde, dissesse no início do mês que o Brasil vive uma “epidemia de acidentes de motocicletas.”

O Pacto Nacional pela Redução de Acidentes no Trânsito se assentará nos cinco pilares seguintes, em ordem de importância:

Fiscalização, Educação, Saúde, Infraestrutura Viária e Segurança Veicular.

A ênfase em fiscalização e educação se justifica porque 80% dos acidentes no Brasil são causados por excesso de velocidade, falhas humanas, imprudência e a recusa a usar capacete e cinto de segurança. Copiado do Correio do Brasil.

Comentário: Só tem um método bastante eficaz na diminuição dos acidentes chegando a quase zero. É preciso que as autoridades elaborem uma Lei que obrigue as fábricas de motocicletas a fabricarem motos com sidecar acima de 125 cilindradas de potência.

As motos com esse acessório ao lado seriam mais úteis aos usuários que poderiam colocar mais dois passageiros, fazer compras, pois tinha um carro ao lado para levar as mercadorias.


Evitaria mais desastres, mortes e deficientes físicos, como também, acabaria com os assaltos e homicídios envolvendo os motoqueiros porque esses condutores não poderiam desenvolver grandes velocidades e nem passar por lugares estreitos como fazem os moto táxis e acabaria com os prejuízos dos carros em ter o seu retrovisor quebrado pelos maus condutores de motos, acabaria também, a loucura dos motoqueiros no trânsito.

Quanto às antigas motos que estão em circulação, às fábricas forneciam aos comerciantes esses acessórios para serem vendidos e adaptados nas motos antigas.

Após essa Lei, as motos só poderiam circular no trânsito se estivessem com o equipamento do sidecar.











Por: Ernani Serra
Pensamento: O amor é a única poesia que pode ser recitada sem palavras.
Elaine Moreno Ibanez