Leitores Online

24 de ago de 2011

Belo Monte


O consórcio Norte Energia vence o leilão para construção da usina de Belo Monte do Pará; houve muitos protestos e liminares na justiça para impedir o leilão, mas tudo em vão, a construção vai continuar e a 3ª maior hidrelétrica do mundo vai ser construída. As áreas inundadas pertencem às terras dos municípios de Vitória do Xingu (248 km²), Brasil Novo (0,5 km²) e Altamira (267 km²).

A previsão é que, ao entrar em operação em 2015 a usina será a terceira maior hidrelétrica do mundo, atrás apenas da chinesa Três Gargantas e da binacional Itaipu, com 11.233 MW de potência instalada. Seu custo é estimado hoje em R$ 19 bilhões, mas as empresas do setor privado estimam que a obra deva custar cerca de R$ 30 bilhões. A energia assegurada pela usina terá a capacidade de abastecimento de uma região de 26 milhões de habitantes, com perfil de consumo elevado como a Região Metropolitana de São Paulo.

Belo Monte é um projeto de construção de uma usina hidrelétrica previsto para ser a maior usina hidrelétrica inteiramente brasileira e a 3ª do mundo.

Foi divulgado um plano de emergência de US$ 30 bilhões para aumentar a oferta de energia no país, o que inclui a construção de 15 usinas hidrelétricas, entre elas Belo Monte. Fonte: Wikipédia.

Comentário: Para a floresta amazônica a construção dessa hidrelétrica seria um golpe fatal para o meio ambiente e uma mudança radical em todos os ecossistemas. Em vez de uma mega-hidrelétrica, porque não fazem várias hidrelétricas de pequeno ou médio porte em várias regiões do Amazonas e de maneira estratégica para alcançar o objetivo dessa megalomaníaca Belo Monte que poderá ser no futuro Bela Morte.

Com essa construção que visualiza o “progresso” do país vai acabar com as florestas e no futuro teremos uma floresta de pedra como é hoje São Paulo, e a vida no planeta vai ficar como?

Com a construção dessa hidrelétrica de Belo Monte teríamos um impacto socioambiental como:

Perdas de árvores e animais silvestres, e ameaça constante de destruição das florestas por parte de ruralistas e explosão habitacional e industrial; e também, com a extinção dos índios nativos daquelas regiões no futuro, que perderão suas terras e vidas pela ambição do homem branco na conquistas de terras e minerais. As riquezas do Brasil estão sendo escoadas para o capitalismo estrangeiro do 1º mundo, em troca não recebemos nada só dívida a pagar.

A hidrelétrica não está sendo construída com a intenção de melhores dias para a nação e sim, para as multinacionais que vão invadir a região para extrair as riquezas do solo e subsolo do Brasil, e com a ganância vem à destruição da maior riqueza, a floresta do Amazonas, que é o pulmão do equilíbrio com a emanação do oxigênio que ameniza o efeito estufa; sem a floresta, haverá no futuro um caos na hidrografia do Brasil e no aquecimento mundial.

A hidrelétrica poderá se tornar muito perigosa para a população ribeirinha que ficarem na sua frente, principalmente quando houver um transbordamento ou for obrigado a abrir as comportas, então haverá inundação e muitas mortes naquela região.

É preciso conservar o Amazonas e deixá-la intacta como ela está, deveríamos sim, explorar as fontes naturais através da indústria sem chaminés (o turismo), a indústria química farmacêutica...

A energia eólica não é aconselhável porque não cobre grandes áreas populacionais e se quiserem fazer vai arcar com a maior e terrível poluição visual.

O Brasil não tem tanto dinheiro para bancar essa megaobra, por trás dos bastidores estão os interesses internacionais do capitalismo egocêntrico e desumano. Se o Brasil está pedindo dinheiro emprestado aos banqueiros estrangeiros, vai ficar com a corda no pescoço, e quem vai pagar tudo isso é o povo através de impostos, já que, as riquezas foram entregues ao capital privado, de privatização em privatização, o Brasil vai ser dos estrangeiros que vai exterminar os brasileiros no futuro.











Por: Ernani Serra
Pensamento: Não são as ervas más que afogam a boa semente, e sim, a negligência do lavrador.
Confúcio