Leitores Online

9 de dez de 2011

Matadouros


Os matadouros públicos de todos os Estados do Brasil estão piores ou iguais aos matadouros clandestinos. É uma falta de higiene total nos locais de sacrifícios, de armazenamento dos órgãos e vísceras dos animais abatidos, que ficam expostos no chão sujo, cheios de poeira, lama e insetos, sem falar nos instrumentos usados com ferrugem e funcionários sem os equipamentos de proteção como: luvas, botas, aventais e tocas.

Os matadouros de hoje, são verdadeiras pocilgas, que têm lamas e fedentinas insuportáveis.

Esses matadouros improvisados pelo Estado usam os instrumentos impróprios para matar; com muito sofrimento e tortura para os animais. A matança é rudimentar na maioria dos matadouros que usam marretas que dão até 12 marretadas para o animal morrer com muito sofrimento.

O governo estadual promete melhorar os matadouros com novas construções, mas só no período de 10 anos. Esperem sentados que em pé cansam.

Infelizmente os órgãos públicos fazem vistas grossas para não gastarem dinheiros com matadouros modernos e bem higienizados.

O serviço de saúde pública do Estado também se tornou omissos em não cumprir com suas obrigações de fiscalização pública. A corrupção continua a beneficiar os matadouros oficiais e os clandestinos.

Pior de tudo isso, é a poluição ambiental no local, e também, se estende pelos rios e mares, deixando nas águas uma fedentina horrível por onde passa aqueles restos de detritos orgânicos dos animais que foram abatidos de maneira cruel e desumana.

Além dos matadouros ineficientes existe também o manejo dessas carnes em transportes abertos e sujos, ou mesmo fechados mais cheios de bactérias, pela falta de higienização de caminhões baús sem refrigeração, e a entrega das mesmas, nos ombros suados e sujos dos empregados quando levam aos açougues os fardos de carnes, sem falar nas feiras livres que carregam as carnes em carros de mão enferrujados e tratam as carnes até pelo chão.

Nessas alturas dos acontecimentos com omissões e negligências oficiais, deixam dúvidas quanto ao carimbo da fiscalização sanitária que autentica a sanidade das carnes.

Em Vitória de Santo Antão-PE quem coloca o carimbo de saúde pública nas carnes é um funcionário da Prefeitura e não um veterinário, isso é um abuso e desrespeito ao povo.

Enquanto isso a população é a mais prejudicada ao ingerir essas carnes contaminadas a preços de ouro, como se fossem carnes de boa qualidade e com o aval da saúde pública, o beneplácito, e a conivência do Estado com os infratores.













Por: Ernani Serra
Pensamento: Os bons vi sempre passar; no mundo graves tormentos; e para mais me espantar, os maus vi sempre nadar, em mar de contentamentos.
Luis de Camões