Leitores Online

27 de set de 2012

Níveis dos Oceanos e do Ártico


Uma reavaliação de imagens feitas por satélites dos últimos 18 anos forneceu uma visão nova e mais detalhada das mudanças no nível do mar em todo o mundo.

Um novo estudo que se vale de informações levantadas a partir de imagens registradas por diferentes sondas espaciais, afirma que os níveis dos mares no planeta estão subindo apenas uma média de três milímetros por ano. Mas essa reavaliação oculta grandes diferenças regionais – tanto para cima quanto para baixo.

O Mar das Filipinas, por exemplo, sofreu um aumento médio que ultrapassa 10 milímetros por ano. Em parte, isso reflete grandes oscilações nos ventos e na temperatura do Oceano Pacífico.

O estudo integra a iniciativa de Mudanças Climáticas (CCI, em inglês), aprovada pela Agência Espacial Europeia (ESA, sigla original) durante sua reunião ministerial de 2008.

Atualmente, acredita-se que os principais causadores do aumento do nível dos mares sejam a absorção de mais calor pelos oceanos e as águas geradas pelo derretimento de geleiras e de camadas de gelo.

 Agora em sua terceira versão, o satélite Jason circula o globo estabelecendo um mapa topográfico de 95% dos oceanos terrestres a cada dez dias.

Para realizar isso, ele usa um radar com altímetro que constantemente mede pulsações de microondas a partir da superfície do mar. Ao determinar o quanto o sinal demora a fazer a viagem de volta, o instrumento pode determinar a altura da superfície marítima. 

Outra importante ferramenta introduzida recentemente é o satélite gravitacional – especificamente as duas espaçonaves USGrace. Elas são capazes de medir a quantidade de gelo na Antártida e na Groenlândia e a quantidade de água armazenada nos continentes. Fonte: Site MUNDO.

 Na véspera da Assembleia Geral da ONU, a tripulação do Arctic Sunrise usou as bandeiras dos 193 países-membros das Nações Unidas para construir um coração sobre o gelo no Ártico e pedir que os líderes mundiais tomem a decisão de proteger um dos mais frágeis ecossistemas do mundo.

A situação é urgente. O Ártico atingiu seu menor volume de gelo em toda a história e precisa ser protegido.

É pressionando as empresas que desejam explorar petróleo no Ártico que podemos protegê-lo, a Shell e a Gazprom, anunciaram na semana passada que não vão mais perfurar na região em 2012.

Juntos, podemos parar a destruição do meu lar e dos ursos polares e garantir o equilíbrio climático do planeta.
O degelo do Ártico é coisa séria. Fonte: Greenpeace.

Comentário
Com o degelo nos Pólos Norte e Sul os oceanos estão aumentando de níveis, e com a poluição deles, a vida marinha está cada dia mais comprometida e em fase de extinção. As calotas polares estão se derretendo por causa do calor atmosférico e por causa da poluição industrial que chegam através da atmosfera, o gelo e os mares glaciais estão contaminados com enxofre e outros metais pesados. 

O problema não é regional, é mundial, e tem várias causas e efeitos, não é tão simples como muita gente pensa, é muito complexo e precisa da boa vontade da humanidade e das autoridades de todos os países.

Para essa batalha é preciso união de tudo e todos com uma única finalidade salvar a humanidade e o planeta Terra.

As guerras e conflitos armados mostram o quanto o homem é irracional. 

Trabalhar para salvar a Terra é preciso de obreiros com mentalidade civilizada. Só através de pessoas evoluídas que se pode fazer alguma coisa por este planeta. 

Infelizmente, as maiorias dos homens ainda estão na fase da barbárie, mesmo com aparência de nobres, mas, o seu ego é de um animal irracional e feroz.
                        







Por: Ernani Serra
Pensamento: A educação é a mais poderosa arma pela qual se pode mudar o mundo.
Nelson Mandela