Leitores Online

16 de fev de 2013

Asteróide DA 14


Para os interessados no asteroide DA14, o asteroide que vai passar “próximo da Terra” nesta sexta-feira (15/02/2013), a NASA terá uma transmissão ao vivo da passagem do asteroide DA14 por meio de diversos canais de streaming.

Serão cerca de 30 minutos de comentário ao vivo e imagens da aproximação do DA14 feita por meio de telescópios. O evento começará por volta da 16:00 (horário de Brasília) e será transmitido tanto no site oficial como no seu canal do UStream.

Tendo outra passagem em 2012 próximos da Terra, o asteroide DA14 desta vez passará a cerca de 27 mil quilômetros de distância. Para comparação, ele está bem mais próximo do que certos satélites artificiais, que ficam em torno de 35 a 36 mil quilômetros de distância.

No início desta sexta-feira (15/02/2013), um meteorito atingiu a região dos Montes Urais na Rússia e deixou mais de 100 feridos. A agência espacial europeia (ESA) apontou que os dois objetos não possuem relação alguma, tal queda não aumenta a chance da mudança de rota do DA14.

Desde que a NASA começou o monitoramento de asteroides, em 1990, nunca um objeto tão grande passou tão próximo da Terra. Apesar da distância, a NASA afirma que não há chances de o meteoro atingir o planeta.

A próxima vez que veremos o DA14 será em 2020, mas ainda sem uma distância prevista. Fonte: Site BABOO.

     Comentário
No espaço sideral existem milhões e milhões de fragmentos de rochas que vêm a milhões de anos viajando sem destino aleatoriamente. Esses fragmentos rochosos flutuando no espaço são resultados de explosões de estrelas que eram incandescentes e depois se resfriaram e é de difícil visualização por ter a cor preta como o carvão e se tornam invisíveis no espaço negro.

Se esse meteoro não se desfragmentasse, tornando-se um meteorito na entrada da Terra, à destruição seria muito grande na Rússia; o perigo desses objetos espaciais com tamanha destruição poderia provocar um incidente internacional se as autoridades russas se confundissem com um ataque nuclear. Felizmente, só entrou na atmosfera um pequeno pedaço de rocha do asteroide em forma de meteorito e causou um grande estrago material e de centenas de vítimas acidentadas na Rússia.

 A velocidade desses objetos rochosos é supersônica por causa da explosão inicial e foram jogados no espaço em altíssima velocidade e como não existe força gravitacional, (a gravidade é zero ou nula no espaço) a tendência é aumentar essa velocidade no espaço sideral. Quando essa rocha entra na atmosfera terrestre há uma explosão que pode ou não se desfragmentar e continua em direção a terra em alta velocidade, que ao passar em baixa altitude dá um grande deslocamento no ar, e causa em sua passagem várias explosões pelo deslocamento do ar que é responsável pela maioria das destruições materiais, antes de colidir com a terra numa explosão quase nuclear.

Vem por aí, muitos outros meteoros em direção a Terra, e existe uma rocha de grandes proporções (meteoro) que os cientistas estão prevendo para o ano de 2030 e acham a possibilidade de uma colisão com o nosso planeta.

Vamos pedir a Deus que haja um desvio nessa rota desse meteoro gigante, senão será o fim, que os cientistas estejam errados quanto à rota desse objeto em direção a Terra. 






Por: Ernani Serra
Pensamento: Ter muitos amigos é não ter nenhum.
Aristóteles