Leitores Online

18 de mai de 2013

História e Oração de São Jorge


São Jorge nasceu no ano 275 a.C. e morreu em 23 de abril de 303 a.C., foi de acordo com a tradição, um soldado romano no exército do imperador Diocleciano, venerado como mártir cristão. 

A Enciclopédia Católica toma a posição de que não há base para duvidar da existência histórica de São Jorge, mas põe pouca convicção nas histórias fantásticas sobre ele.

De acordo com as lendas, Jorge teria nascido na antiga Capadócia, região do centro da Anatólia que, atualmente, faz parte da República da Turquia. Ainda criança, mudou-se para a Palestina com sua mãe após seu pai morrer em batalha. Sua mãe, ela própria originária da Palestina, Lida, possuía muitos bens e o educou com esmero. Ao atingir a adolescência, Jorge entrou para a carreira das armas, por ser a que mais satisfazia à sua natural índole combativa. Logo foi promovido a capitão do exército romano devido a sua dedicação e habilidade – qualidades que levaram o imperador a lhe conferir o título de conde da Capadócia. Aos 23 anos passou a residir na corte imperial em Nicomédia, exercendo a função de Tribuno Militar.

Nesse tempo sua mãe faleceu e ele, tomando grande parte nas riquezas que lhe ficaram, foi-se para a corte do Imperador Diocleciano.

Em 302 a.C., Diocleciano (influenciado por Galério) publicou um édito que mandava prender todo soldado romano cristão e que todos os outros deveriam oferecer sacrifícios aos deuses romanos. Jorge foi ao encontro do imperador para objetar, e perante todos se declarou cristão. Não querendo perder um de seus melhores tribunos, o imperador tentou dissuadi-lo oferecendo-lhe terras, dinheiro e escravos. Como Jorge mantinha-se fiel ao cristianismo, o imperador tentou fazê-lo desistir da fé, torturando de vários modos. E, após cada tortura, era levado perante o imperador que lhe perguntava se renegaria a Jesus para adorar os deuses romanos.   Todavia, Jorge reafirmava sua fé, tendo seu martírio aos poucos ganhado notoriedade e muitos romanos tomados às dores daquele jovem soldado, inclusive a mulher do imperador, que se converteu ao cristianismo.

Finalmente, não tendo êxito, mandou degolá-lo no dia 23 de abril de 303, em Nicomédia (Asia Menor).

Os restos mortais de São Jorge foram transportados para Lida (Antiga Dióspolis), cidade em que crescera com sua mãe. Lá ele foi sepultado, e mais tarde o imperador cristão Constantino mandou erguer suntuoso oratório aberto aos fieis, para que a devoção ao santo fosse espalhada por todo o Oriente.

Fonte: Wikipédia.

ORAÇÃO
 “Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam, e nem em pensamentos eles possam me fazer mal. Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrem sem o meu corpo tocar, cordas e correntes se arrebentem sem o meu corpo amarrar. Jesus Cristo, me proteja e me defenda com o poder de sua santa e divina graça, Virgem de Nazaré, me cubra com o seu manto sagrado e divino, protegendo-me em todas as minhas dores e aflições, e Deus, com sua divina misericórdia e grande poder, seja meu defensor contra os males e perseguições dos meus inimigos. Glorioso São Jorge, em nome de Deus, estenda-me  o seu escudo e as suas poderosas armas, defendendo-me com a sua força e com a sua grandeza, e que debaixo das patas de seu fiel ginete meus inimigos fiquem humildes e submissos a vós. Assim seja com o poder de Deus, de Jesus e da falange do Divino Espírito Santo. São Jorge Rogai por nós.”

     Comentário
É através da história dos mártires que os Papas vêm reconhecendo os santos da Igreja Católica Romana.

É uma maneira de redimirem a suas culpas e injustiças diante daqueles que se sacrificaram pela fé em Jesus Cristo e pelo cristianismo.

Temos o caso de São Jorge que foi imolado por uma convicção de fé. O mesmo com a Santa Joana D’arc que foi sacrificada na fogueira por conta dessa mesma fé e muitos outros mártires que a própria igreja católica foi responsável por tantas mortes criminosas e absurdas. 

Uns foram santos pela convicção no cristianismo e mortos pelos poderosos imperadores pagãos ou politeístas, e outros, pela própria igreja em não acreditar em suas espiritualidades e condenaram como hereges (bruxos e bruxas), depois no passar dos tempos, se arrependeram de seus crimes em nome da igreja e os santificaram como se quisessem salvar suas almas do inferno através do arrependimento criminoso. 

É através dos milagres na crença popular que os Papas reconhecem os santos.

São Jorge existiu, mas os dragões nunca existiram, foram simples lendas europeias como foi o caso das gigantes serpentes marinhas que devoravam as embarcações no tempo dos descobrimentos, era um boato para intimidar as pessoas a não irem à busca de novas terras.

O dragão é um símbolo do mal que foi destruído pelo bem que é São Jorge.




Por: Ernani Serra
Pensamento: A fé é uma convicção que transforma o irreal em real.
Ernani Serra