Leitores Online

12 de jun de 2013

O Médico é o Monstro


Farah Jorge Farah (São Paulo, 1949) é um ex-cirurgião plástico, formalmente acusado e condenado em primeira instância por homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e não dar chance de defesa á vítima) e ocultação e destruição de cadáver. O crime, cometido no dia 24 de janeiro de 2003, com requintes de crueldade, foi praticado contra sua paciente Maria do Carmo Alves, na época com 46 anos. A fim de dificultar a identificação do cadáver, Farah removeu cirurgicamente as peles faciais, das mãos e pés da vítima, guardando os restos mortais em sacos plásticos no porta-malas de seu veículo. Após o crime Farah confessou a sua sobrinha o crime e ela foi à delegacia e denunciou-o. Seu exame psicológico realizado através do Teste de Rorschach o considerou como um não psicopata e a psiquiatra que realizou o teste o classificou como “descontroladinho”.

Por quatro votos a um, a Segunda Grupo do Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu no dia 29 de maio de 2007 um Habeas Corpus (HC 89238) para libertá-lo e aguardará a decisão final da justiça em liberdade. Atualmente é aluno da Universidade de São Paulo e Universidade Paulista. Fonte Wikipédia.

     Comentário
Esse monstro é um maníaco psicopata que abusava sexualmente das pacientes em estado inconsciente pela droga aplicada. De acordo com depoimentos de várias pacientes abusadas por Farah.

Como em todos os crimes do Brasil existem sempre nas leis as impunidades e o de Farah não foi exceção à regra quando foi condenado a 13 anos de reclusão e só cumpriu quatro anos. Esse crime monstruoso deveria ter sido condenado há 30 anos em regime fechado sem nenhum privilégio.

Esse Farah foi considerado pela psiquiatria como descontroladinho. 

Esse monstro deve ter costas quentes porque recebeu o Habeas Corpus do Supremo Tribunal Federal para responder em liberdade, queria saber se esse bárbaro crime fosse com uma das filhas ou esposas dos meritíssimos juízes do STF  e se eles agiriam da mesma forma? Duvido.

Um crime bárbaro desses não deveria dar o direito de se matricular em universidades nenhuma do país, que moral tem esse maníaco de ensinar ou advogar uma causa? Nenhuma.

Uma pessoa normal não tem coragem de fazer o que ele fez:

Premeditou o crime, quando a paciente exigiu os reparos na barbeiragem do facínora, numa cirurgia plástica de seios e abdômen, ficando irritado com a insistência da paciente, então o açougueiro achou por bem fazer a operação fatal, ou seja, depois de anestesiada começou a destrinchar a paciente como se faz nos açougues com os bois.

É esse, e muitos outros cirurgiões plásticos que as universidades estão pondo no mercado profissional, com um diploma e sem competência para exercer essa função, vai ele, e muitos outros colegas de profissão a deixar as pacientes disformes pelas suas incompetências como cirurgiões plásticos e ainda se dão o direito de estuprar e até esquartejar suas pacientes dentro das clínicas médicas.

E a justiça acha isso tão corriqueiro e simples, que aplicam sentenças pequenas, a esses monstrengos criminosos e ainda lhes dão a liberdade com habeas corpus e o direito de estudar nas universidades. Isso é surrealismo, só se vê isso no inferno de Dante.



Por: Ernani Serra
Pensamento: A sentença injusta gera a impunidade e aumenta a criminalidade.
Ernani Serra