Leitores Online

7 de jul de 2013

Fidel Castro


Fidel Alejandro Castro Ruz (nasceu em 13 de agosto de 1926) é um revolucionário comunista cubano, primeiro presidente do Conselho de Estado da República de Cuba (1976-2008). Até 2006 foi primeiro-secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba.

Nascido da união entre Ángel Castro Argiz, imigrante da Galiza, e Lina Ruiz González. Fidel Castro que é canhoto, apesar de aparecer em algumas fotografias escrevendo com a mão direita, foi educado em colégios jesuítas, como o La Salle, Dolores e Colégio Belén, foi um coroinha. Alto e de porte atlético, foi premiado como o melhor atleta estudantil secundarista cubano em 1944. Fonte: Wikipédia

Como Che Guevara e Fidel tomaram o poder em Cuba?
Junto com Raúl Castro, irmão de Fidel, eles lideraram uma guerra de guerrilhas, que contou com uma força decisiva da população civil. “O movimento teve apoio de estudantes, universitários e camponeses que se opunham ao governo ditatorial de Fulgêncio Batista”, diz o historiador americano Franklin Knight, da Universidade Johns Hopkins.   A guerrilha nasceu quando Batista, um ditador brutal e corrupto, cancelou as eleições marcadas para junho de 1952. Fidel, então um dos candidatos, começou a organizar uma força rebelde para depor o governo. Acompanhado de 160 homens, ele atacou um quartel militar em 26 de julho de 1953, na esperança de provocar um levante popular. A iniciativa foi um fracasso: Fidel foi capturado e acabou condenado a 15 anos de prisão. Libertado por uma anistia a presos políticos, ele se exilou no México, onde conheceu o médico argentino Ernesto Che Guevara. Convencido de que uma revolução por métodos violentos representava a única forma de combater a miséria na América Latina, Che se concentrou na estratégia militar da revolução, enquanto Fidel tratou de fundar o Movimento 26 de julho, organização política que iria aglutinar os dissidentes cubanos no esforço para derrotar Fulgêncio Batista. Com cerca de 80 combatentes, a guerrilha voltou a Cuba em 1956 para tomar o poder. Fonte: Site MUNDO ESTRANHO. 

     Comentário
Essa história cubana parece que quer acontecer de novo, “no Brasil”, temos todos os ingredientes que os cubanos tiveram para deflagrar aquela revolução de guerrilhas. Temos: miséria social, povo insatisfeito com os governantes corruptos, passeatas do povo incluindo o apoio dos estudantes, universitários, profissionais da saúde etc. em protesto contra tudo que está errado no Brasil.

Antes (na década de 1960) quando os comunistas queriam fazer uma revolução popular, (só que não tinham esse apoio popular total) então alguns partidos clandestinos comunistas partiram para fazer células guerrilheiras com armas velhas (guerrilha romântica). Como o Brasil tem dimensões continentais não foi possível fazer essas guerrilhas com meia dúzia de rebeldes que sofreram um grande revés. Para fazer esse tipo de guerrilha teria que ter um país na fronteira que abastecessem os guerrilheiros com armas e mantimentos e acolhessem esses rebeldes em suas retiradas.

Agora sim, temos panos para as mangas, temos o Partido dos Trabalhadores (PT), a Presidente da República, os governantes dos Estados brasileiros todos ex-comunistas, os Sem Tetos e os Sem Terras também com ideias comunistas, agora sai o povo em massa nas ruas para protestar contra todo tipo de corrupção: falta de segurança, transporte, saúde, educação... O Governo Federal não quer fazer Reforma Política e nem Reforma Jurídica, estão querendo que o povo fique revoltado com todas essas injustiças sociais. Para receberem a adesão popular na revolução social. Tudo isso, parece que foi programado para insuflar o povo para uma revolução, tão bem organizado e orquestrado por alguma facção política desconhecida e anônima. O povo em si, não tem capacidade de se organizar em massa para protestar. 

O Brasil está prestes a cair numa revolução sangrenta parecida com a Síria, Egito e muitos outros países que usaram a força da população para derrubar os seus governantes, sejam eles ditadores ou não.

Tem forças ocultas por trás dos bastidores da política brasileira. Já dizia: Jânio Quadros.




Por: Ernani Serra
Pensamento: Se queremos progredir, não devemos repetir a história, mas fazer uma história nova.
Mahatma Gandhi