Leitores Online

6 de ago de 2013

Culpado ou Inocente


Chacina em São Paulo deixa cinco integrantes de família de PMs mortos.

O casal de policiais militares Luís Marcelo Pesseghini, Sargento da Polícia Militar, de 40 anos e Andreia Regine Bovo Pesseghini, Cabo da Polícia Militar, 35 anos, o filho deles, Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, de 13 anos. Em um imóvel anexo, no mesmo terreno, estavam Benedita Oliveira Bovo, 65 anos, mãe de Andreia e Bernadete Oliveira da Silva, 55 anos, irmã de Benedita. As mulheres foram achadas mortas em camas diferentes, mas no mesmo quarto, respectivamente, na casa da família, no bairro de Brasilândia, na Zona Norte de São Paulo, na tarde de ontem (05/08/2013).

Luís Marcelo era sargento da Ronda Ostensiva Tobias Aguiar (ROTA), conhecida como a “tropa de elite” da polícia paulista. 

A Polícia Militar de São Paulo e a Secretaria de Segurança Pública estão investigando a chacina.   Indícios preliminares coletados na casa da família fizeram os investigadores afastarem a possibilidade de um ataque.

Uma das possibilidades levantadas até agora é de que o menino possa ter matado a família.    Uma pistola com cinco balas deflagradas foi encontrada embaixo do corpo dele, que morreu com um tiro na cabeça.

Uma mochila com material escolar e outra arma foi encontrada na parte externa da casa. Os cinco corpos foram encontrados na tarde de ontem (05/08).

De acordo com informações da Rede Record, não havia sinais de arrombamento, luta corporal ou troca de tiros na casa da família. A polícia foi até a casa das vítimas depois de ter estranhado a ausência da policial no serviço. O sargento da Rota estaria de folga, e colegas de trabalho de um “bico” que ele fazia também estranharam sua falta ao trabalho, mas informações ainda não confirmadas dão conta de que o menino compareceu à aula nesta segunda-feira. A professora dele chegou a postar no Facebook que esteve com o Marcelo Eduardo no dia do crime.

O caso será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil. Além de perícias e exames residuográficos, os corpos das vítimas também serão submetidos a análises toxicológicas, já que existe a possibilidade de a família ter sido dopada antes de morrer. Fonte: Site DIÁRIO de PERNAMBUCO.com.br

     Comentário
Estão acusando o adolescente Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, de 13 anos, que se “suicidou”, de ter matado quatro pessoas da família. 

Essa tragédia está muito obscura porque tem muitas contradições: 

1 – O garoto era canhoto e a arma foi encontrada na mão direita. Ainda não fizeram o exame para encontrar vestígios de pólvora nas mãos do jovem. É preciso ser muito perverso e frio, a ponto de detonar um tiro em cada pessoa da família na cabeça e mais corajoso para se matar isso não é normal para um adolescente de 12 anos e sim para um adulto covarde.

2 – Estão acusando porque um amigo dele disse que Eduardo queria ser matador de aluguel e ia matar seus pais. Por que esse amigo de Eduardo não disse isso antes aos familiares? Se Eduardo queria ser um matador de aluguel, fugir com o carro da família e ir para um local desconhecido como foi dito pelo seu amigo de escola, então já estava na sua mente a premeditação do crime e portanto jamais iria se suicidar. Se ele queria matar os pais, por que matou a avó e a sua tia? Ambas moravam num imóvel anexo no mesmo terreno, será que essa casa estava com as portas abertas para ele entrar e executar ambas na cama?  Não tem cabimento. É preciso investigar bem as posições dos cadáveres no local do crime.

É preciso investigar a sua relação afetiva com os pais e familiares se eram boa ou ruim. Tem muito mistério em tudo isso! Talvez tenham premeditado o crime e jogaram a culpa no adolescente morto.

3 – Estão dizendo que os familiares foram dopados pelo jovem, mas, ainda não fizeram um exame de sangue nos cadáveres para saber qual o tipo de medicamento usado e se foram mesmo dopados. Quando for feito, saberemos se foram dopados ou não. Muito difícil se dopar quatro pessoas numa só noite em dois lugares diferentes.

4 – Por que ninguém da família reagiu? Tudo parece ter sido uma execução bem planejada.  Parece um crime de encomenda para exterminar toda a família.

O carro da mãe apareceu próximo da escola e ninguém da família sabia que esse garoto sabia dirigir e volta para casa em uma carona deixando o carro estacionado próximo ao colégio.

5 – Será mesmo que essa criança tenha tido uma mente tão maquiavélica a ponto de premeditar uma trama tão sórdida?   Vamos esperar os resultados das pesquisas talvez tenhamos mais surpresas. Pelo rosto da criança ela não tem indícios nem o perfil de bandido e de ser um jovem perverso e mal. É preciso ver o depoimento das professoras e da diretoria e saber como era o seu comportamento na escola. Se esse garoto cometeu mesmo esses crimes, ele estava com o demônio no corpo. 




Por: Ernani Serra 
Pensamento: O medo tem alguma utilidade, mas a covardia não. 
Mahatma Gandhi