Leitores Online

9 de set de 2013

Aprendizagem do Cérebro No meio Ambiente


A importância dos primeiros anos

O desenvolvimento cerebral que ocorre antes do nascimento e no primeiro ano de vida é mais rápido, extenso, e muito mais vulnerável às influências ambientais do que acreditávamos. O ambiente afeta não só o número de células cerebrais e conexões entre elas, mas também a forma com que essas conexões são realizadas.

O desenvolvimento sadio do cérebro atua diretamente sobre a capacidade cognitiva. Desse modo, o estresse nos primeiros anos de vida tem um impacto negativo sobre o desenvolvimento do cérebro. Uma nutrição inadequada antes do nascimento e nos primeiros anos de vida pode interferir significativamente no desenvolvimento cerebral, provocando distúrbios neurológicos e de comportamento, dentre eles, as dificuldades de aprendizagem.

O cérebro de um recém-nascido é composto de trilhões de neurônios, alguns já integrados ao circuito intricado da mente e trilhões e trilhões com potencial quase infinito, de acordo com Begley. A experiência da infância (assegura ele), determinam, dentre os neurônios que ligam os circuitos do cérebro, quais os que serão utilizados. Os que não forem, podem morrer. Assim, as experiências da infância determinam se uma criança “será um adulto inteligente ou não, medroso ou confiante, articulado ou não”.

Tais descobertas sugerem que há “períodos cruciais” no desenvolvimento, quando o ambiente pode influenciar a maneira como o cérebro é “ativado” para funções como a linguagem, a matemática, a arte, música, ou a atividade física. Se tais oportunidades forem perdidas será mais difícil, porém não impossível, que possa se reativar futuramente. 

Segundo Rutter e Rutter, um estrabismo não corrigido na infância resultará em perda permanente da visão binocular e a perda temporária de audição devida a infecções na infância leva à deterioração parcial do desenvolvimento da linguagem, fatos que comprovam a importância desses períodos. Fonte: Site na Internet.

Comentário
É por isso que temos tantos casos de violência nos países subdesenvolvidos e emergentes por falta de educação familiar e poder aquisitivo para garantir ao cérebro da criança um desenvolvimento normal. A falta de boa alimentação adequada ao desenvolvimento do feto geram crianças com defeitos neurológicos. 

Nos países desenvolvidos com educação, saúde, com bom poder aquisitivo bem estabilizado não se vê esses casos de barbárie coletiva, pode haver uma vez ou outra um acontecimento esporádico, mas nunca coletivo. Tudo porque esse povo teve uma assistência adequada e nutricional desde a gestação. A culpa da violência é governamental e da família que não dá assistência materna e nem uma alimentação rica em nutrientes para os fetos e bebês por falta de salários dignos e por ignorância dos pais que não tiveram a educação familiar e nem instrução suficiente para manter uma família. Os filhos nascem sem amor e sem recursos financeiros. É aí que nasce a violência.




Por: Ernani Serra
Pensamento: Dê ao mundo o melhor de você. Mas isso pode não ser o bastante. Dê o melhor de você assim mesmo. Veja você que, no final das contas, é tudo entre VOCÊ e DEUS. Nunca foi entre você e os outros.
Madre Teresa de Calcutá