Leitores Online

1 de jun de 2014

Labirinto sem Saída


O homem veio de uma espécie monstruosa que está se expandindo e vai desaparecer numa forma de implosão mundial.

O ser humano sempre foi um animal belicoso, irracional e desumano, esse monstro cósmico está se camuflando numa pele de cordeiro, com inteligência adquirida, mas com uma finalidade inconsciente de se autodestruir como se fosse um robô programado para sua extinção na Terra.

A sua mente inteligente universal que não é própria, age através de sensores que captam toda sua tecnologia maléfica e monstruosamente desumana para sua própria espécie.

O ser humano entrou num labirinto-armadilha que não tem saída, e essa humanidade, está pensando que está evoluindo como civilizados mais; está cada dia mais, afundando na areia movediça desses avanços tecnológico-científicos, e o pior disso tudo é que, não tem volta é irreversível, só tem um caminho, caminhar sempre avançando tecnologicamente para sua autodestruição.

O homem já fabricou vírus sintéticos de doenças mortais na Engenharia em Nanotecnologia (em grego “nano” significa anão e ressalta o nanômetro com um bilionésimo do metro que corresponde à largura de 10 átomos de hidrogênio alinhados), isso é usado tanto para a ciência quanto para as guerras. 

Temos a tecnologia nuclear que está sendo usada para a ciência quanto para as guerras, numa devastação sem limites. Já temos bombas atômicas com potência de mais de 1.000 vezes maior do que a de Hiroshima e Nagasaki.

Agora estamos programando tudo em shipes e tornando a tecnologia automatizada como se esperasse que a população do mundo se reduzisse a grupos privilegiados e o resto do povo vai ficar morrendo de fome sem empregos.    Estão também, na corrida da robótica, estão querendo fabricar robôs que tenham consciência própria e que, no futuro esses robôs possam se voltar contra os seus próprios criadores. As invenções são assim, começam mais não têm limites para modernizar, tem sempre uma luz no cósmico para levar o homem ao infinito das invenções e da morte.

São essas invenções que o homem pensa que é da sua própria consciência inteligente, mas não é mesmo.

Sem falar nas bactérias e vírus naturais causando uma pandemia mundial. Os fenômenos como: Vulcões, terremotos, maremotos, etc. são  perigos naturais que pode exterminar a humanidade, sem falar nos perigos que vem do espaço como: Meteoros, cometas etc.

O homem em sua megalomania criou um acelerador de partículas debaixo da terra entre a Suíça e a França com quilômetros de distância, cujo tubo, envia átomos de ambas as partes para haver uma colisão e produzir antimatéria, que por sua vez, criou micros buracos negros que alguns cientistas condenam por achar muito perigoso para a destruição do planeta, mesmo assim, já estão querendo fazer outra experiência com duas ou três vezes maior de potência da experiência anterior e aí vai aumentando até que um dia vai desintegrar tudo. É através dessas experiências que um dia o nosso mundo vai desaparecer nas mãos de cientistas loucos que querem ser o próprio Deus, estão procurando o início de tudo que Deus criou, mas esse mistério não será dado ao homem prepotente, orgulhoso, vaidoso, egoísta, egocêntrico... Eles vão se encontrar com a própria morte.

Vivemos num mundo que está à mercê do apocalipse, o fim do homem está traçado e não tem como evitar se não, ser exterminado através desses fenômenos, e da explosão demográfica que é responsável por tudo o que está acontecendo na humanidade. 

Outro exterminador do homem é sua própria índole má que envenena seu próprio ser.

Albert Einstein disse: Poderá haver uma III Guerra Mundial, mas, uma IV Guerra Mundial os homens vão lutar com paus e pedras. Isso é se ficar alguém para contar a história, se o homem não for pulverizado pelo arsenal atômico, pelos cataclismos, pelas suas próprias invenções, ou pelo cósmico. 

O homem pensa que um gênio, mas não é, a morte sim, é que um gênio. 

 
 


Por: Ernani Serra
Pensamento: A religião do futuro será cósmica e transcenderá um Deus pessoal, evitando os dogmas e a teologia.
Albert Einstein