Leitores Online

27 de set de 2014

Cadê a Liberdade de Expressão?


Para o procurador Pedro Antônio de Oliveira Machado, junto com o Ministério Público Federal disse que Rachel defendeu a tortura e eles? Também cometeram outro erro em defender a violação dos Direitos Humanos em reprimir a consciência do povo através de censuras. Iniciou-se uma ação civil pública contra o SBT sobre o comentário que a jornalista Rachel Sheherazade fez em fevereiro sobre os “justiceiros” que amarraram um assaltante em um poste.

Em 10 de dezembro de 1948 foi proclamado a Declaração Universal dos Direitos Humanos, em seu Art. XIX, que diz:

Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.  

O crime que estão impondo a jornalista Rachel Sheherazade foi porque ela disse: “ser compreensível à atitude dos moradores que fizeram justiça com as próprias mãos contra um adolescente de 15 anos que estaria cometendo assaltos no bairro”. Ela não disse que o ato dos justiceiros e da população eram o correto, ela não afirmou nada. Ela não promoveu nem fez apologia ao crime simplesmente ela fez um comentário razoável dizendo que era compreensível que a população estivesse revoltada com tantos crimes até hediondos praticados diariamente no Brasil, sem que haja uma punição severa aos bandidos que continuam no mundo do crime, porque as leis são brandas, cheias de brechas e impunidades dentro do Código Penal Brasileiro que está ultrapassado no tempo e no espaço, favorecendo aos criminosos e também aos advogados de porta de cadeia que ganham fortunas para defender esses indivíduos marginalizados, que hoje, estão dentro da sociedade com privilégios e proteção policial e jurídica através das leis antigas, e o povo é que se explode sem nenhuma proteção contra essas violências que são apoiadas pelos políticos que veem essas barbáries sociais e nada fazem para conter a fúria desses monstros bandidos, e nem dão nenhuma satisfação aos seus eleitores quando solicitam deles um novo Código Penal Brasileiro atualizado e mais duro com o crime, ficam todos surdos, mudos e cegos.

O absurdo de tudo isso é que a mesma ação pede que o Governo Federal fiscalize as emissoras de TV para evitar comentários como o da jornalista. Isso é terrorismo e amordaçar a consciência de todo o povo brasileiro menos a consciência dos bandidos que dizem e fazem o que querem com a população indefesa. O povo está realmente indignado contra todas essas injustiças contra o bem e a favor do mal. Voltamos às censuras da Ditadura Militar que tantos políticos condenaram nessa “Democracia Anárquica” onde não existe justiça para os cidadãos de bem, os bandidos e os negros são duas classes que hoje estão sendo privilegiados pela Justiça, pelos Governos e pela OAB nos Direitos Humanos. Infelizmente no Brasil não estão cumprindo a Declaração Universal dos Direitos Humanos que não especifica os marginais como tendo prioridade a defesa, como vem fazendo a Justiça aqui no Brasil, só defendem os bandidos quando deveriam defender a todos os seres humanos até as vítimas desses marginais. Os Direitos Humanos são contra atos de torturas e violências contra os marginais punindo os agressores civis severamente, enquanto os Estados torturam, espancam e faz terrorismo com os prisioneiros e ninguém os punem. 

Os bandidos brasileiros são intocáveis enquanto nos Estados Unidos os intocáveis eram os homens da Lei.

O cidadão brasileiro não pode ter uma arma em sua casa e nem andar armado em vias públicas, mas os bandidos podem e andam mais armados do que as Forças Auxiliares e Armadas, tem armas modernas, sofisticadas e de grande poder de fogo e andam pelas ruas e vielas dos morros ostentando o seu poderio bélico e entram em confronto com os policiais e soldados das Forças Armadas do Brasil e saem incólumes das favelas para depois voltar a ocupar o mesmo lugar de vendas de drogas e ainda têm a proteção de policiais corruptos que os apoiam em suas ações criminosas.

Os bandidos quando vãos presos saem com fianças de pequenos valores enquanto a jornalista que não é nenhuma bandida está estipulando um valor de meio milhão de reais, por uma simples palavra “compreensível” bela justiça.

Os iniciantes de roubos e furtos por necessidades são às vezes condenados a penas severas enquanto os corruptos de terno e colarinho branco não sofrem nada, fica tudo no esquecimento. Os bandidinhos roubam uma pessoa, os bandidos socialites roubam milhares de pessoas dando um prejuízo bem maior. São dois pesos e duas medidas.  

Os bandidos cruéis arrancam cabeças de inocentes e entre eles nas cadeias, e inúmeros outros crimes hediondos vão a jure popular e recebem penas de até 200 anos de prisão, tudo não passa de encenação jurídica para dizer que está fazendo justiça, quando as leis brasileiras só aceitam a condenação no máximo de 30 anos de prisão, sem falar nas brechas que vão diminuindo e os monstros  muitas vezes saem com poucos anos de prisão, já houve até um bandido perigoso que estava condenado a pena pesada de muitos anos estar solto e cometendo crimes e tráfico de drogas na sua comunidade quando deveria estar preso. No Brasil tem dessas coisas e muito mais. É um salvem-se quem puder. A justiça tem uma balança e uma espada, mas, ela é cega, coitadinha como pode fazer justiça assim, portanto ela decapita com a espada o que está mais pesado no prato da balança não importa se é dinheiro ou crime, ela é cega mesmo! A justiça sendo cega não comete crimes apenas equívocos jurídicos, ela é sempre inocente e justa consigo mesma.

Coitada da Rachel Sheherazade quando a vejo pela tela da televisão tão triste por não poder dar uma opinião contra as injustiças desse país, amordaçaram a pobre jornalista que não pode mais trabalhar conforme a sua consciência e não pode mais alertar o público das injustiças desse país. Ela só pode ficar olhando e com a língua coçando sem poder dizer nada. Isso é justo? Isso é jornalismo? 

O Brasil vai continuar bárbaro sem leis para conter a barbárie.







Por: Ernani Serra
Pensamento: A prisão não são as grades, e a liberdade não é a rua; existem homens presos na rua e livres na prisão. É uma questão de consciência.
Mahatma Gandhi