Leitores Online

13 de out de 2014

Epidemia de Ébola pelo Mundo


O Brasil é o único país no mundo que não está dando muita atenção ao vírus de Ebola, as autoridades está sempre tranquilizando o povo dizendo que é improvável ou muito raro essa doença entrar no país. 

Aí é que está o perigo, principalmente porque estamos abrindo as fronteiras para países pobres e de grande risco como os da África que estão sofrendo uma gigantesca mortandade na população. O governo está recebendo muitos africanos e haitianos com vistos de permanência e oferecendo oportunidades de trabalhos. 

Os próprios Estados Unidos disse que a humanidade não está preparada para combater uma epidemia ou pandemia, mas, o Brasil diz o contrário, infelizmente temos uma péssima estrutura na saúde pública, mas somos uma nação de muito otimistas e é com esse otimismo que as autoridades sanitárias querem combater essa doença no Brasil.

Que estrutura é essa que só temos um laboratório para análises de sangue em Belém do Pará, e que, o resultado só chega depois das 48 horas, isso é porque só enviamos uma só amostra, já pensou em dezenas ou centenas dessas amostras e em quanto tempo seriam dados esses resultados? Um país como o Brasil de extensão continental deveria ter não um laboratório de infectologia mais uns cinco ou dez em vários Estados.

Quanto aos hospitais temos alguns no sudeste com apenas alguns leitos preparados para esse contágio, mas se acontecer o pior? Onde vai colocar tantos doentes infectados? No SUS?

O Brasil e o resto do mundo deveriam colocar os países contaminados da África em quarentena, porque senão, vai se espalhar pelo mundo todo, como já está acontecendo em alguns países da Europa e da América do Norte. 

Um homem com esse hospedeiro pode transmitir a dezenas ou centenas de pessoas, e cada uma dessas pessoas, contaminado vão formar outra cadeia de virose por pessoa numa reação epidêmica, como se fosse uma explosão atômica.

A incubação desse vírus no corpo humano é de 21 dias, mas nesses dias há possibilidades de contágios não só por suor, saliva, tato, sangue, sexo, mas também pelo ar, como já foi dito por um médico na África que esse vírus entrou em mutação num estado mais avançado de contágio.

Os auxiliares da saúde e médicos antes de tirar as roupas de proteção contra os vírus deveriam entrar numa câmara de descontaminações para evitar o que aconteceu com a enfermeira que foi exposta ao vírus quando a mão dela atingiu o lado externo ao retirar a roupa contaminada. Nessas circunstâncias atuais todos os hospitais preparados para receber esses pacientes infectados deveriam ter uma câmara para descontaminação do pessoal de saúde ainda paramentado.  

Os hospedeiros naturais do vírus são: Chimpanzés, gorilas, morcegos, macacos, antílopes, porcos espinhos, encontrados doentes ou mortos na África. 

Se as pessoas com hospedeiros incubados não transmitissem perigos imediatos por que o serviço médico quando vão apanhar essas pessoas vão todas protegidas dos pés a cabeça? É claro que se protegem porque não conhecem ainda a doença até onde possa chegar a contaminação. 

O importante é incinerar os corpos desses doentes, mesmo assim, os Estados Unidos não querem nem enterrar essas cinzas com medo de contágio, enquanto na África esses corpos são enterrados no solo que poderão fechar o ciclo de contaminação por terra. Enquanto os países do primeiro mundo que tiveram alguns dos auxiliares de saúde e médicos contaminados foram todos submetidos a um soro experimental em que alguns deram certo, mas, não estão usando na pobreza dos contaminados africanos que estão morrendo como insetos. 

O mesmo poderá acontecer no Brasil se houver uma epidemia, os mais prósperos e privilegiados terão os soros, enquanto o resto da pobreza vai para o SUS morrer a míngua.



 
video



Por: Ernani Serra
Pensamento: A arte de viver é mais parecida com a luta do que com a dança, na medida em que está pronta para enfrentar tanto o inesperado como o imprevisto e não está preparada para cair.
Marco Aurélio