Leitores Online

29 de out de 2014

Mexeram em casa de Marimbondo


A presidente Dilma Rousseff desde o primeiro mandato que prometeu a Reforma Política e não teve a coragem de executar e agora, se diz disposta a executar a Reforma Política no segundo mandato, reeleita para mais quatro anos na Presidência da República (2011 a 2014 e 2015 a 2018).

Será que vai sair mesmo ou não passa de politicagem essa Reforma Política?

Quando se fala em Reforma Política no Brasil é motivo de muito alvoroço no Congresso Nacional parece até um bando de marimbondos prontos para atacarem, como se estivessem em perigo. 

A presidente pegou numa pedra (chamada Reforma Política) pronta para jogar na casa de marimbondos (Congresso Nacional) e todos ficaram em pé de guerra a espera da pedrada que vai assanhar aquele enxame de vespas prontas para contra-atacar quem se opor aos seus interesses: privilégios, corrupções, nepotismo, negociatas, etc.

Nunca se viu um Congresso Nacional tão agitado só por causa de a Dilma ter pegado na pedra (Reforma Política) para jogar na casa de marimbondos (Congresso Nacional), estão todos prontos para ferroar a presidente mesmo antes de a pedra ser arremessada. Será que a Dilma Rousseff vai ter a coragem atacar as vespas? Ou ela vai ter medo das ferroadas e vai sair correndo? Ou vai ficar enganando o povo com promessas e discursos para emprenhar pelo ouvido?

Há muito tempo que se vem cogitando de Reforma Política nesse país e todos os presidentes se desmoralizaram, baixaram as cabeças contra as forças ocultas da corrupção. Para ajeitar esse país disforme tem que haver um presidente forte, duro, sem compromissos partidários e sem rabo preso. É preciso acabar com essas falsas reformas para enganar o povo, como:

A Lei da Ficha Limpa que não tem nada de limpo continua muito suja, (isso é que é fazer o povo de otário), o candidato não pode se candidatar por ter Boletim de Ocorrência e estar na mira da Justiça, mais fizeram na lei uma brecha para esse mesmo candidato sujo (corrupto) continuar exercendo seu mandato de maneira indireta através das esposas, filhos, etc. É assim que os políticos se saem muito bem e fazem suas reformas ao seu bel prazer. 

Financiamento Eleitoral e Partidário estão querendo excluir o financiamento das grandes empresas, para evitar a corrupção dos candidatos eleitos governarem para as grandes empresas financiadoras que controlam todos os atos dos políticos, mas estão querendo fazer o mesmo da seguinte forma: “acabando” com o financiamento do poder econômico, apoiando as doações de origem privado de pessoas físicas, mudam só o nome mais continua na mesma situação, vai entrar verbas do poder econômico com o nome de doações de pessoas físicas quando deveriam ser exclusivas do poder estatais essas verbas políticas. Isso não é reforma é apadrinhamento político, conchavo, negociatas... E o povo vai ser enganado mais uma vez como fizeram na Independência do Brasil.

Suplência de Senador, cada Senador tem direito a escolher dois suplentes semelhantes aos vices dos cargos do Poder Executivo. O problema é que os suplentes são frequentemente desconhecidos (invisíveis) dos eleitores, o que pode causar falta de legitimidade

Se os suplentes são desconhecidos dos eleitores então pode estar havendo nepotismo por baixo do pano.

Tudo desses políticos são às escondidas para o povo não saber das irregularidades, é preciso ser claro quanto aos nomes dos suplentes para que o povo tome conhecimento. Isso é Democracia ou Anarquia?

Eleição e Reeleição são condições definidas pelo povo e não pelos políticos, os políticos querem acabar com a reeleição para ficar mudando os personagens enquanto a reeleição é muito importante para o povo que tem o direito de votar ou não no candidato, se o candidato faz um péssimo mandato então o povo vota e tira do poder, se esse mesmo candidato faz um ótimo governo então o povo o reelege isso é democracia popular, a reeleição deveria ser infinita enquanto o povo a quisesse. 

Esse negócio de Plebiscito Popular pode ser uma trama bem arquitetada como golpes de jiu-jitsu com: golpes e contragolpes, recheadas de brechas como sempre fazem em todas as leis.

Fazem com que o povo pense que está no poder e está sempre manipulado pelo governo.





Por: Ernani Serra 
Pensamento: A política é quase tão excitante como a guerra e não menos perigosa. Na guerra a pessoa só pode ser morta uma vez, mas na política diversas vezes.
Winston Churchill