Leitores Online

20 de jan de 2015

Brasil no Varejo


Os economistas da presidência da república estão querendo fazer do Brasil um boteco econômico-fiscal, querem governar o país através de impostos elevados e estagnação da produção interna, depois querem elevar o PIB; de que maneira? Vendendo o país a varejo! Se o produto interno bruto da nação está caindo na exportação e na produção industrial interna, como vão elevar o superávit primário e sair do vermelho/2014 se estão remando contra a correnteza, estão fazendo tudo ao contrário num rolo compressor que vai esmagar toda a nação, já dizia a Dilma: Não vai ficar pedra sobre pedra. É isso aí que está fazendo, a destruição da nação. 

Esses novos economistas do governo estão indo pela cartilha econômica e fiscal do primeiro mundo, que só beneficia os banqueiros, os ricos e o mercado estrangeiro, a economia deles é diferente da nossa. Ainda tem economistas medíocres que diz na mídia que esses economistas do governo estão no caminho certo, certo da destruição.

O governo vai tributar a gasolina em R$ 0,22 e o diesel em R$ 0,15 por litro a partir de fevereiro via PIS/COFINS.
 
Isso quer dizer que vamos ter uma inflação galopante em que todos os produtos internos vão aumentar inclusive os transportes de cargas; vai haver uma retenção no mercado de varejo e atacado, e consequentemente na fonte produtora que vai produzir menos por não ter um mercado de consumo (oferta e procura)

A crise vai aumentar na população por haver uma recessão econômica em que o povo vai ficar com os seus salários cada dia mais mínimo por causa da inflação e também pelas demissões no mercado por falta de capital de giro suficiente nas empresas, e também vai haver falências empresariais.   Estamos sendo governados por economistas tsunamis que vai levar o povo a fome e a miséria social. 

Vai haver por decreto um aumento dos Impostos sobre Produtos Industrializados (IPI) para indústria de cosméticos. Aumentou de 1,5 para 3% sobre Impostos sobre Operações Financeiras (IOF), o PIS/COFINS sobre produtos importados será elevado de 9,25 para 11,75%; ao ser questionado pela mídia se outros aumentos de impostos estavam sendo preparados pela equipe econômica, disse: que outras medidas estavam sendo “desenhadas” para estimular a economia, e não “só aumento de impostos”. O que o governo federal quer é assaltar a nação, extorquindo e sangrando toda economia para aprovar em 2015 a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) fazendo um superávit primário, que ficou no déficit em 2014 e de maneira irregular foi aprovada por unanimidade pelo Congresso Nacional. Estão querendo tirar do povo para fechar o rombo orçamentário que deixou em 2014 e ainda fechar com um superávit no próximo ano (2015). É dinheiro que não acaba mais, nas costas do povo.

Esse sangramento pode causar uma revolução interna que vai custar muito caro para o governo federal, a corda muito esticada um dia vai romper, o povo vai ficar no débito com as empresas financeiras e na ociosidade, ao serem despedidas do trabalho, vão ficar furiosos.

O pacote ideal seria baixar os impostos: IPI, IOF, PIS/COFINS, IPTU, ENERGIA ELÉTRICA, ÁGUA, PETRÓLEO ETC; com a baixa de impostos em geral a economia cresceria, o poder de compra do trabalhador, e o salário mínimo aumentava (inversamente proporcional ao baixo custo de vida), a produção seria beneficiada e os produtos internos brutos (PIB) seriam exportados e os excedentes vendidos internamente na praça, o real se valorizava no câmbio, o governo teria de conter os gastos públicos e só construir as obras uma de cada vez

Infelizmente, os governantes não olham o lado bom do povo e sim, o lado do arrocho salarial, apertando os cintos da população e afrouxando os cintos dos banqueiros e da classe rica; o povo que se exploda! 

Não esperem o povo nada de bom desse governo que está aí e que, vai sufocar a nação e matar muita gente de fome. Governo do povo contra o povo.






Por: Ernani Serra 
Pensamento: Pacote fiscal, inflação, recessão..., são maneiras de o governo empobrecer um país e facilitar a pirataria e a invasão estrangeira.
Ernani Serra