Leitores Online

29 de mar de 2015

Governo Pirateia o Brasil


O contrassenso da política atual acentua-se ao percebermos que quase todo o financiamento das empresas concessionárias será baseado em empréstimos estatais. Isso fica explícito na declaração da presidenta Dilma Rousseff de que o BNDES poderá financiar até 80% dos investimentos das empresas concessionárias”. Além disso, estas empresas terão 5 (cinco) anos de carência para iniciar o pagamento, 25 (vinte e cinco) anos de amortização para saldar o débito e juros próximos de 10% ao ano – muito abaixo dos 51,63% que é a taxa de juros média para pessoa jurídica; dos 103,97% das taxas de juros cobradas das operações de crédito; e um absurdo perto dos 238,30% da taxa média do cartão de crédito. Fonte: Site ROMPENDO AMARRAS.

Comentário
As privatizações no Brasil são: imorais, traidoras, criminosas, de lesa a pátria... Estamos numa crise financeira, econômica e social, e agradecemos a todos os governantes que o povo votou, é um bando de entreguistas e corruptos que estão canalizando as riquezas do país para o exterior e de maneira gratuita, porque o país não tem direito a lucros, os lucros do país devem ser distribuídos aos corruptos e corruptores, e é por isso mesmo, que a nação se encontra na atual conjuntura nacional, as margens de um caos e de uma revolução bem planejada, querem transformar o Brasil numa Síria, Iraque... Querem levar o povo a se revoltarem com todas as injustiças desse país e se jogarem numa guerra civil para exterminar mais depressa. 

Privatizar uma nação significa entregar o governo e todo o país aos interesses internacionais. 

Por que os Estados Unidos e os países do primeiro mundo europeu não privatizam seus países? Porque não são otários, são nacionalistas, piratas modernos, buscam lucros aos cofres estatais, e sabem do perigo de privatizar uma nação, é o mesmo que perder sua nacionalidade, serem escravos com o mínimo de sobrevivência e isso, essas grandes potências não querem para o seu povo. 

Esses governantes “brasileiros” que hasteiam a bandeira multicolorida de todos os países menos o verde amarelo. Todas as corrupções e escândalos não passaram de uma conspiração de venda à pátria, afundaram toda a estrutura desse país e os deixou a deriva no mar de lamas. A única saída desses governantes traidores é acabar com o poder de compra dos trabalhadores através de leis fiscais e outros artifícios antinacionais para deixar o país a mercê dos piratas internacionais que estão invadindo e tomando de assalto um navio sem capitão. 

Querem-se sair dessa? Porque os governantes não revogam o contrato da Vale, da mineradora de ouro canadense e muitas outras e assumem essas riquezas em nome do Estado crítico. 

Querem-se um Brasil grande de verdade devem abarrotar de ouro os cofres da nação fazendo um Lastro Ouro, valorizar o Real, baixar o dólar no Câmbio, fazer uma reserva em dólares para aplicação e desenvolvimento do país e não para jogar no lixo da Bolsa de Valores, isso foi crime, é antipatriótico, traição em alto grau; temos que incentivar a produção baixando os impostos comerciais e o dólar cambial, tem que caminhar para produzir. 

Essa jogada traidora de impor um sistema político de austeridade que só vai penalizar o povo e a economia nacional com inflação e recessão. Não se retrai uma crise generalizada com mais repressão, a austeridade só vai retardar o desenvolvimento, não se cria desenvolvimento com retrocesso fiscal, quanto mais aumenta os tributos mais aumentará a inflação, a recessão, a produção e miséria social. Essas crises em países emergentes ou do terceiro mundo são para exterminar essas populações, é a Conspiração das Invasões. Viva o Brasil multinacional. O Brasil talvez seja o único país do mundo que se encontra à venda. 

Enquanto tivermos políticos xenófilos o Brasil continuará nas mãos dos dirigentes estrangeiros e o povo brasileiro vai mudando de nacionalidade, se extingue os nativos e entram os do primeiro mundo para governar e se tornarem cidadãos brasileiros.





Por: Ernani Serra
Pensamento: A ignorância, a política e a má fé também elegem seus representantes políticos.
Carlos Drummond de Andrade