Leitores Online

19 de mai de 2015

Meu Brasil Multinacional


Estamos num país que a cada dia é entregue as empresas estrangeiras uma fatia de sua riqueza.     Agora é a vez da China que comprou uma fatia das grandes por US$ 53 bilhões a vista e encantou a Dilma Rousseff e todos os políticos na construção da Ferrovia Transoceânica que permitirá a evasão de soja, carnes, minério de ferro e muitas outras riquezas que cheguem à China pelo Oceano Pacífico, barateando o custo para aquele país asiático.

Por conta desse financiamento bilionário em dólares, a China vai se apoderarem: do agronegócio, autopeças, equipamentos de transportes, energia, ferrovias, rodovias, aeroportos, portos, armazenamento de serviços, sem se falar na ligação da Usina Hidrelétrica de Belo Monte para as regiões Sul e Sudeste do Brasil. A China vai se apoderar de setores estratégicos do Brasil e vai mandar nos políticos por ter uma fonte de riqueza extraordinariamente grande, a China vai tirar o pé da lama quando começar a explorar o Brasil e os brasileiros. 

Hoje, (19/05/2015) o Congresso Nacional recebeu a visita do Primeiro-Ministro Chinês Li Keqiang, para assinar acordos de investimentos de US$ 53,3 bilhões e foi recebido pelo presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros com muitas honras e bajulações de todos os parlamentares. Para os políticos essas compras de investimentos chineses chegaram à boa hora para garantir e por em ordem o desequilíbrio fiscal do governo federal… Mas no futuro vão ver que fizeram um péssimo negócio, os chineses vão proliferar em nosso território, acabar com nossas riquezas, mandar no mercado interno, nos políticos e escravizar ainda mais o povo brasileiro.

Nenhum país investe uma importância tão grande em troca de nada, a China vai tomar conta do país e foi um grande negócio da China para China.

O Brasil virou uma colcha de retalhos de interesses estrangeiros. Os brasileiros gostam de aplaudir as etnias estrangeiras.

 
 




Por: Ernani Serra
Pensamento: O castelo rui quando as estruturas ficam podres.
Ernani Serra