Leitores Online

26 de jun de 2015

Medida Provisória 672/15


A MP 672/15 que aprovou emenda que prevê o reajuste de todos os benefícios previdenciários acima da inflação. O que o governo queria era que fosse aprovado somente o salário mínimo dos aposentados e não a emenda que reajusta todos os benefícios dos aposentados acima da inflação.  

A MP 672/15 prevê o cálculo com a correção da inflação, medida pelo {Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior}, mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos anteriores.

O ministro da Previdência Social, Carlos Gabas, a emenda gera R$ 9,2 bilhões em gastos extras por ano – sendo R$ 4,6 bilhões em 2015. Mas estender para o salário dos aposentados que [ganham acima do mínimo], tendo um ganho maior que a média de correção salarial dos ativos, significa dar algo para o inativo maior que o do ativo, ressaltou Cunha.

A MP analisada nesta quarta-feira (24/06/2015) pelos deputados foi editada em março pela presidenta Dilma Rousseff diante da demora do Congresso Nacional em aprovar o projeto de lei que instituía as mesmas regras.

Comentário
A Medida Provisória 672/15 que foi aprovada na Câmara dos Deputados no Congresso Nacional talvez não seja aprovada na íntegra pelo Senado Federal, uma grande parte dos políticos são contra a extensão dessa emenda que vem se arrastando há alguns meses e com a antipatia do presidente da Câmara dos Deputados e outros políticos que parecem estar zelando pelos interesses financeiros da nação. 

Quando é para aumentar os salários do trabalhador dão um mínimo do mínimo e ainda são descontados os impostos nesse mínimo e se gabam de estar dando um salário altíssimo ao trabalhador acima da inflação como são alegados. Fazem a maior propaganda na mídia desse famigerado salário mínimo.

Os aposentados nem se falam ganham o mínimo da miséria do salário mínimo, todos os aposentados e trabalhadores estão sendo sustentados por parentes ou quando têm saúde e oportunidades fazem alguns bicos para se manterem vivos, ou quando vivem sós passam fome e vivem da caridade de outras pessoas. Esse é o grande e comentado salário mínimo pelos políticos.

O presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha não gostou dessa aprovação, mas quando é para aumentar os salários dos políticos a Câmara dos Deputados e Senado Federal aprovam em algumas horas os aumentos bilionários mensais dos parlamentares sem que ninguém faça objeções aos aumentos abusivos, imorais, irresponsáveis desses representantes do povo ou do seu bolso. Ninguém reclama dessa imoralidade mesmo quando o país está numa crise econômica e financeira a beira da falência. Para essa classe política não existe crise é uma maneira de usurpar benesses. Ninguém diz que esses aumentos de salários aos parlamentares geram mais crise. Para Eduardo Cunha essa emenda foi um erro que deve ser corrigido, pois vai comprometer a meta fiscal com os credores (banqueiros) que querem o regime de austeridade para o povo brasileiro, só há erro quando se beneficia os aposentados, trabalhadores e o povo, quando aumentam os seus próprios salários está tudo certo no Congresso Nacional.

O ministro da Previdência Social Carlos Gabas está preocupado com os R$ 9,2 bilhões que o INSS vai pagar aos contribuintes aposentados e muitos estão achando que a Previdência Social vai quebrar com o pagamento dessa emenda aos aposentados em geral. Coitado dos aposentados que o pau só quebra nas suas costas, tudo de ruim que acontece na Previdência Social é culpa dos aposentados, mas ninguém vê que o comércio e indústria pagam propinas aos fiscais para não fiscalizar e nem multar, e passam dezenas de anos sonegando impostos ao INSS, isso sim, afunda e deixa os cofres no vermelho da previdência. 

O ministro não contabilizou as falcatruas dos funcionários da previdência passando a mão no erário público em bilhões de reais, isso também não prejudica a nação?  Por que só os aposentados e trabalhadores são os bodes expiatórios da crise socioeconômica e financeira do país? As grandes fortunas do país não são taxadas nem cobradas os impostos, isso é discriminação social, a crise que é do governo está sendo creditada nos pequenos e médios empresários e no povo da classe pobre e média. Para a classe alta não vai haver crise só para a classe baixa. 

Esse ministro da previdência é mesmo contra a classe inferior e acha injusto esse aumento aos aposentados em geral, achando que vai superar aos dos salários dos ativos, é só aumentar os salários dos ativos que está muito baixo. Será que só os políticos é que têm estômago e o pobre tem que passar fome? Até hoje nenhum presidente da República teve a coragem de aumentar os salários conforme manda a Constituição Federal e depois dizem que estão fazendo como manda a Lei Mater. De acordo com a Constituição o salário mínimo deveria estar no patamar de uns R$ 3.000,00 ou mais, de acordo com a crise. 

O governo deveria saber que com melhores salários para os aposentados e ativos, menos carga tributária, geram mais consumo e diminui a inflação com a oferta e procura, essa é uma das medidas certas para diminuir a crise social, econômica e financeira da nação.

Se o Senado Federal não aprovar essa Medida Provisória 672/15 na íntegra como está chegando da Câmara, isso é discriminação social, porque os políticos podem exagerar nos salários e os aposentados apenas vão receber uma ninharia dessa verba; quem vai afundar mais os cofres do Brasil, os políticos ou os aposentados? Será que uns são filhos de Deus e outros são filhos do Diabo? 

Lembrem-se políticos que só estão no poder graças a esse povo que estão sendo discriminados e abandonados. Os políticos deveriam se sentir felizes em melhorar a situação desse povo sofrido e assalariado.







Por: Ernani Serra 
Pensamento: Sem o voto do povo não há políticos.
Ernani Serra