Leitores Online

10 de jul de 2015

A Guerra Cibernética


Assim como engenheiros que trabalham no avanço da inteligência dos computadores, Kurzweil prevê que na metade da década de 2020 teremos total compreensão sobre o cérebro humano (com o uso da engenharia reversa) e isso nos permitirá criar máquinas perfeitas.

Em teoria, depois de evoluirmos tanto, as máquinas ganhariam capacidades para desenvolver criatividade, raciocínio e inteligência superiores às características dos humanos. Segundo Raymond Kurzweil, um dos precursores que elaborou diversos estudos sobre a singularidade, a humanidade como conhecemos deve acabar em 2045.

Para Kurzweil, a singularidade – o momento em que as máquinas vão nos dominar – não é apenas inevitável, mas é iminente. Se levarmos em conta os avanços na área da robótica e a lei de Moore (que sugere o dobro de transistores nos processadores a cada 18 meses), de fato, podemos esperar que, em duas ou três décadas, robôs vão perambular entre nós.

Antes disso, porém, vamos aceitar tudo sem qualquer hesitação, visto que a robótica nos permitirá estender nossas vidas. Órgãos artificiais, curas impossíveis, implantes e cirurgias diversas vão unir máquina e homem. Seres híbridos, humanos e robôs dividirão o mesmo espaço.

Com a chegada dos robôs teríamos as famosas leis de robótica de Isaac Asimov:

) Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal.
) Um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a Primeira Lei.
) Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e/ou a Segunda Lei.

Essas leis impediriam que os robôs representassem qualquer ameaça para nós, mas, na prática sabemos que nem tudo funciona bem assim. Muitos protótipos e estudos podem acontecer longe de nossas vistas e nunca saberemos se um robô é do bem ou do mal. 

Por ora, temos muitas teorias sobre a singularidade, porém não temos qualquer confirmação de que vamos chegar a esse estágio, afinal, mesmo que a suposição de Kurzweil esteja correta, temos mais de 30 anos pela frente, nos quais podemos ter muitas alterações de acontecimentos nas diversas áreas da tecnologia.

Todos esses acontecimentos podem ser freados ao longo dos anos e talvez nem sequer vejamos um robô com inteligência humana, mas, como não temos como prever o futuro, vale ir se preparando e tentando viver a vida sem evitar fazer as coisas que somente humanos podem fazer.

Se um dia for realmente dependente de máquinas e robôs, acabaremos aceitando a situação, mas vamos esperar que não nos tornemos escravos da tecnologia ou que ela acabe nos sobrepujando. Fonte: TECMUNDO.

Comentário
Atualmente a sociedade está aplaudindo o avanço tecnológico em todas as áreas sem perceber o caos que estão nos envolvendo no futuro. 

O computador está em tudo: no relógio, no celular, na aviação, nas máquinas rurais etc. 

O computador em si parece uma peça do mobiliário caseiro e comercial muito inofensivo, mas na verdade é uma máquina muito perigosa e não deveria estar popularizada e sim, pertencendo somente aos serviços militares, pois quem sabe operar com genialidade essas máquinas podem causar estragos nos bancos, nas redes mundiais de informática, entrar e danificar usinas nucleares etc. 

Agora já é tarde para reverter esse erro, o mundo já está contaminado por essas armas com aparência pacífica, tudo gira em torno dos computadores que já está indiretamente comandando o homem, a humanidade não pode se livrar dessa arma por estar viciada em suas operações rápidas e eficientes.

O Japão e outros países avançados do primeiro mundo já estão criando robôs com corpo e feições humanas (humanoides) e estão aprimorando o computador cerebral dessas máquinas com milhares de informações para que esses robôs possam até responder perguntas dando respostas corretas interagindo com o cérebro humano.

A tendência é que, vai sendo aperfeiçoado o cérebro computadorizado do humanoide chegando ao ponto dessas máquinas pensarem e raciocinarem como humanos através das associações de ideias que vão criar simultaneamente novas ideias e ficarem independentes do homem através de bilhões de informações inseridas no cérebro do robô. Isso já está nos planos dos cientistas da tecnologia futurista. A IBM anunciou na quinta-feira (09/07/2015) que conseguiu criar um chip com 7 nanômetros de espessura. O componente foi criado usando uma liga de silício e germânio e é uma boa notícia para a indústria de eletrônicos. Que ultimamente estava tendo dificuldades para romper a barreira dos 10 nanômetros. Com esse poderoso chip os cientistas poderão construir os humanoides que poderão pensar por si mesmo, independentes do homem. O homem quer criar um ser igual a si mesmo, imitando a criatura humana, mesmo que seja uma máquina inteligente. O castigo virá quando o homem se tornar vítima de sua criação.   

É o caso do ser humano que nasce sem nenhuma informação e ao decorrer do tempo vai recebendo informações ao ponto de o cérebro manusear essas informações e transformar em associações de ideias, daí vem à inteligência humana, como se fosse um caleidoscópio. O homem adquiriu inteligência associando as ideias e pode chegar ao homo sapiens.        









Por: Ernani Serra 
Pensamento: O progresso, a tecnologia e a explosão demográfica vai levar o homem à autodestruição.
Ernani Serra