Leitores Online

18 de set de 2015

Trajédia no Taboão da Serra - SP


A mãe de Gustavo deixou a criança de cinco anos dormindo, sozinho no apartamento onde moravam que culminou com a queda da criança do 26º andar do edifício. A mãe deixou de maneira negligente o seu filho Gustavo para se encontrar com um namorado antes da fatalidade como ela declarou a polícia.

A morte da criança se deu na noite de (16/09/2015) e foi registrado como morte suspeita. A perícia diz que, inicialmente, trabalha com a hipótese de acidente.

De acordo com apresentação no programa Cidade Alerta foi mostrado e dito que a criança que estava dormindo se acordou, ligou todas as luzes do apartamento, calçou um tênis, pegou uma mochila e foi para o banheiro arrastando uma cadeira de escritório com rodinhas e colocou no Box e foi buscar um banco com pés de inox que colocou em cima da cadeira de escritório tomando todo o espaço do assento da cadeira e daí se tornando impossível que uma criança conseguisse subir nessa cadeira por falta de espaço, e muito menos chegar ao banco de cima para depois se debruçar na janelinha do banheiro ao ponto de se jogar lá de cima. 

Visto que, havia também a possibilidade da cadeira de escritório correr quando o menino tentasse subir. Só seria possível se essa criança fosse de circo. Uma criança não é tão imbecil para ver o perigo e se jogar e muito menos procurar um lugar de difícil acesso para chegar à janela aberta; deveria ter uma grande imaginação de adulto. 

Essa fatalidade está mais para crime do que para acidente. Vamos ver e esperar o que os peritos vão dizer a respeito disso tudo.
           





Por: Ernani Serra
Pensamento: Quatro características deve ter um juiz: ouvir cortesmente, responder sabiamente, ponderar prudentemente e decidir imparcialmente.
Sócrates