Leitores Online

29 de nov de 2015

Amor é Utopia



Cheguei à conclusão que só existe o amor temporal, o amor é pura fantasia, o amor só existe na imaginação e concepção do homem querendo mascarar o ódio que existe e está latente em seu DNA Cósmico, até o mais civilizado dos homens só exala a violência ora ativa ora passiva. O que chamam de amor não passa de um ato bestial de sexo. O ser humano ama as aparências e isso não é amor.

O cósmico apesar de estar em perfeita harmonia no Universo só apresentam violências estelares e nós extraterrestres somos esses filhos nascidos dessas violências e, portanto temos esse estigma em nossa energia e DNA material. 

Os religiosos que criaram as religiões descobriram essa tendência nos seres humanos e procurou amenizar esse sofrimento violento através de um caminho inverso ao ódio que chamou de amor, amor, esse escrito nos livros sagrados que se tornam impossíveis de colocar em prática porque o ego humano não absorve essa dimensão porque o que domina o interior do homem é o ódio. O credo antigamente dizia que: “morto e sepultado desceu aos infernos”. Então os religiosos mudaram para: “desceu a mansão dos mortos” para não dizer que aqui na Terra é o inferno e nós somos os demônios. 

Quando nascemos, viemos através da violência do parto, no decorrer da vida somos atacados por vírus, bactérias e doenças mortais tudo isso é violência e violência é ódio, a nossa estrutura atômica é constituída desse material mortal que chamamos de ódio. Até Cristo que pregava a paz e o amor em determinado momento se deixou levar pelo ódio aos comerciantes que vendiam animais e chegou a espancar com a cinta essas pessoas, o ódio que estava latente em Cristo naquele momento de indignação fluiu. Até Moisés que recebeu os Dez Mandamentos não cumpriu com “não matarás”, Moisés mandou apedrejar até a morte um dos seus que tentou ou estuprou uma jovem quando estava no deserto. Até os mais santos já foram acometidos da ira. Todos nós temos um oceano de ódio para uma fração de amor de terra. 

Desde o começo do mundo o homem sempre foi um bárbaro monstruoso, chegou à civilização e continuou a ser o mesmo bárbaro monstruoso, querendo impor a todo custo o seu puder na sociedade que foi criado na pirâmide social onde só há violência passiva através de perseguições e escravizações entre os humanos. 

Temos as violências: contra os animais nos matadouros; nas discriminações de classes; nas guerras; na população faminta; nos crimes contra a natureza; nos salários indignos dos trabalhadores; no ódio dos terroristas, dos assaltantes e criminosos de toda espécie; etc.

Onde está esse amor propagado em versos pelos poetas e visionários de um paraíso terrestre?
Quando uma pessoa diz amar um cão, uma pessoa é porque esse cão ou essa pessoa lhe dá certo prazer, esse sentimento (“amor”) é puro egoísmo é algo que preenche as lacunas do ser humano, basta esse cão lhe dar uma dentada ou essa pessoa lhe ferir o seu ego para o ódio tomar lugar do grande amor.




Por: Ernani Serra
Pensamento: O mundo é um eterno oceano de violento ódio. É por isso que o mundo e o homem vai se autodestruir pela motivação do ódio. O ódio é perene e destrutivo, o amor é efêmero.
Ernani Serra