Leitores Online

3 de nov de 2017

Que Brasil é Esse?


O Brasil de hoje está desfigurado nem chega aos pés daquele Brasil de épocas passadas onde havia menos corrupções, tudo era minimizado nas coxias e por debaixo do pano, camuflado, hoje, tudo se tornou alardeado, explícito, o imoral se tornou moral

 O que existe é um lamaçal fétido de traição: a pátria, as instituições, ao trabalhador, ao povo brasileiro. Tudo nesse país cheiram mal: as injustiças se tornaram justas, juízes defendendo bandidos e apadrinhados, etc. A corrupção se generalizou em todas as classes sociais. 

Tudo por causa de governos populistas, comunistas, entreguistas venais, quadrilhas políticas contra o Brasil e a favor da pirataria estrangeira. Os estrangeiros agradecem a esses corruptos anfitriões dos cofres públicos que esbanjam dinheiro do Erário Público para legislar em causa própria e vender o que não é deles, o patrimônio nacional

Infelizmente tudo está dominado nesse país desgovernado até os crimes políticos foram jogados na conta do povo para pagar a dívida de bandidos políticos, jogaram dinheiro no lixo para realizarem a conspiração antinacional, onde os fins justificam os meios ilícitos. País sem leis austeras, tudo nesse país justifica leis brandas e cheias de buracos iguais a um queijo suíço, é um país: da impunidade, do jeitinho, do toma lá, dá cá, da corrupção, o que não é meu pode levar desde que me favoreça com as propinas.

Já foi comprovado que o comunismo como a democracia federativa não funciona no Brasil.

A salvação do Brasil está no Regime Nacional Socialista Democrático de Direito. Esse é o regime que deve substituir o atual regime brasileiro bobão e fétido. Enquanto não tivermos um regime forte nacionalista, jamais seremos livres desses grilhões: políticos, econômicos, financeiros e sociais da corrupção venal, dos corruptores piratas, dos banqueiros internacionais, das aves de rapinas.


 
 
 


Por: Ernani Serra
Pensamento: Enquanto tivermos políticos corruptos, empresários corruptores, seremos sempre, uma nação em decadência.
Ernani Serra